13 de agosto de 2020

Os recursos infinitos que Deus nos dá

 “A Alma tem recursos infinitos para abençoar a humanidade, e seria mais fácil alcançar a felicidade e conservá-la em nosso poder, se a buscássemos na Alma” (Ciência e Saúde, p.60).

A Ciência Cristã nos ensina que Alma é um sinônimo de Deus, assim como Mente, Espírito, Princípio, Vida, Verdade e Amor. É interessante desdobrar o trecho acima, pensando nos sinônimos de Deus e nos lindos recursos que Ele tem para nos abençoar:

 

A Mente tem inteligência, sabedoria e criatividade infinitas para abençoar a humanidade e seria mais fácil alcançar as boas ideias e conservá-las em nosso poder, se as buscássemos na Mente.

 

O Espírito tem força, coragem, espiritualidade e liberdade infinitas para abençoar a humanidade, e seria mais fácil alcançar a coragem e a liberdade e conservá-las em nosso poder, se as buscássemos no Espírito.

 

A Alma tem ânimo, disposição, beleza e alegria infinitas para abençoar a humanidade, e seria mais fácil alcançar a alegria e conservá-la em nosso poder, se a buscássemos na Alma.

 

O Princípio tem equilíbrio, ordem, retidão e disciplina infinitas para abençoar a humanidade, e seria mais fácil alcançar essas qualidades e conservá-las em nosso poder, se as buscássemos no Princípio.

 

A Vida tem saúde, harmonia e vitalidade infinitas para abençoar a humanidade, e seria mais fácil alcançar a saúde e conservá-la em nosso poder, se a buscássemos na Vida (não em remédios, médicos, alimentação ou exercícios).

 

A Verdade tem honestidade, integridade e santidade infinitas para abençoar a humanidade e seria mais fácil perceber a honestidade em nós e nos outros, se reconhecermos que ela é o reflexo da Verdade.

 

O Amor tem amorosidade, paciência e bondade infinitas para abençoar a humanidade, e seria mais fácil sentir-se verdadeiramente amado, se percebermos o amor infinito de Deus por nós e refletirmos esse amor para com nosso próximo.

 

Seria mais fácil alcançar essas riquezas espirituais e conservá-las em nosso poder, se as buscássemos em Deus, e não na matéria, em pessoas ou circunstâncias.

 

Esses recursos ou riquezas, que Deus nos dá abundantemente, são mais do que suficientes para satisfazer a todas as nossas necessidades e nos dar a verdadeira felicidade.



21 de março de 2020

Fé em Deus nos ajuda a vencer o medo

Nós temos o direito de contribuir para o isolamento social sem medo. Mas como podemos nos libertar do medo? Como ficar livres do medo do vírus, da contaminação, de não ter dinheiro para se sustentar nesse período? 


Que eu saiba, não existe remédio material para o medo. O único remédio para o medo é espiritual. É a nossa fé em Deus, a compreensão de que Ele nos protege. Por isso, selecionei na Bíblia alguns trechos que nos ajudam a vencer o medo e a reforçar nossa confiança em Deus. Coloquei em negrito os trechos que falam especificamente do medo e também fiz alguns pequenos comentários em parênteses.

Aqui estão as passagens bíblicas:

O Senhor é o meu pastor; nada me faltará. (não me faltará saúde, paz, tranquilidade, suprimento)
Ele me faz repousar em pastos verdejantes. (verdejantes de harmonia)
Leva-me para junto das águas de descanso; (não águas agitadas de preocupação)
refrigera-me a alma. (revigora-me o ânimo, a alegria)
Guia-me pelas veredas da justiça (da saúde, do suprimento) por amor do seu nome.
Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte (da contaminação), não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo... 
Salmos 23:1-4

O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? O Senhor é a fortaleza da minha vida; a quem temerei?
Ainda que um exército se acampe contra mim, não se atemorizará o meu coração; e, se estourar contra mim a guerra, ainda assim terei confiança
Salmos 27:1,3

Busquei o Senhor, e ele me acolheu; livrou-me de todos os meus temoresSalmos 34:4

Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem-presente nas tribulações.
Portanto, não temeremos ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares; (ainda que a mídia fique falando incessantemente desse vírus)
Bramam nações, reinos se abalam; ele faz ouvir a sua voz, e a terra se dissolve. (o medo se dissolve, quando ouvimos a voz tranquila e suave de Deus nos acalmando)
Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. Salmos 46:1,2,6,10,11

Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável. Salmos 51:10 (não vou me abalar com más notícias, nem com a quarentena)

Eis que Deus é o meu ajudador, o Senhor é quem me sustenta a vida. (Ele é quem me sustenta a saúde, a coragem, a paz) Salmos 54:4

Em me vindo o temor, hei de confiar em ti.
Em Deus, cuja palavra eu exalto, neste Deus ponho a minha confiança e nada temerei. Que me pode fazer um mortal? 
(que me pode fazer um vírus microscópico?) Salmos 56:3,4

Uma vez falou Deus, duas vezes ouvi isto: Que o poder pertence a Deus, (não ao vírus ou à doença) Salmos 62:11


O que habita no esconderijo do Altíssimo e descansa à sombra do Onipotente
diz ao Senhor: Meu refúgio e meu baluarte, Deus meu, em quem confio.
Pois ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa.
Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro; a sua verdade é pavês e escudo.
Não te assustarás do terror noturno, nem da seta que voa de dia,
nem da peste que se propaga nas trevas, nem da mortandade que assola ao meio-dia.
Caiam mil ao teu lado, e dez mil, à tua direita; tu não serás atingido...
Pois disseste: O Senhor é o meu refúgio. Fizeste do Altíssimo a tua morada.
Nenhum mal te sucederá, praga nenhuma chegará à tua tenda.
Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos.
Eles te sustentarão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra.
Pisarás o leão e a áspide (pisarás o vírus), calcarás aos pés o leãozinho e a serpente.
Porque a mim se apegou com amor, eu o livrarei; pô-lo-ei a salvo, porque conhece o meu nome.
Ele me invocará, e eu lhe responderei; na sua angústia eu estarei com ele, livrá-lo-ei e o glorificarei.
Saciá-lo-ei com longevidade e lhe mostrarei a minha salvação. 
Salmos 91:1-16

Enviou-lhes a sua palavra, e os sarou, e os livrou do que lhes era mortal. Salmos 107:20

Bem-aventurado o homem que teme ao Senhor e se compraz nos seus mandamentos.
Não se atemoriza de más notícias; o seu coração é firme, confiante no Senhor.
O seu coração, bem firmado, não teme… 
Salmos 112:1,7,8

O Senhor está comigo, não temerei. Salmos 118:6

Quando te deitares, não temerás; deitar-te-ás, e o teu sono será suave.
Não temas o pavor repentino...
Porque o Senhor será a tua segurança...

Não te furtes a fazer o bem a quem de direito, estando na tua mão o poder de fazê-lo. 
Provérbios 3:24-27

Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel. Isaías 41:10

Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes,
nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura (nem qualquer vírus ou doença) poderá separar-nos do amor de Deus... 
Romanos 8:38,39

E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele.
No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo
1 João 4:16,18

Se você se sentiu confortado com esses trechos da Bíblia, compartilhe essa postagem com seus familiares e amigos, e ajude-os também a vencer o medo!

6 de fevereiro de 2020

Minha História Espiritual

As pessoas geralmente têm a tendência de olhar para o passado para tirar conclusões sobre elas mesmas. Por exemplo, é comum ouvirmos um estudante falar “eu não sou bom em matemática.” De onde ele tirou essa conclusão? Do passado. Ele teve dificuldade em aprender essa matéria e tirou notas baixas, logo concluiu que não é bom em matemática, e essa conclusão passa a limitar seu presente e seu futuro.

Referindo-se a um problema de saúde ou de comportamento, é comum ouvirmos alguém dizer “eu sempre tive esse problema”. Nessa afirmação está implícita a conclusão: “por isso, acho que sempre terei esse problema”. Só porque o problema fez parte de seu passado, as pessoas erroneamente concluem que o problema fará parte de seu futuro. Será que está certo pensar assim? 

Será que a história material define quem eu sou? Será que meus pensamentos e ações do passado, os erros e acertos que fiz, definem quem eu sou hoje? De onde eu devo tirar conclusões a meu respeito, do passado, ou da verdade espiritual?

Mary Baker Eddy, que foi uma grande pensadora e reformadora religiosa, tocou nesse assunto quando escreveu estas palavras: “A verdadeira teoria sobre o universo, que inclui o homem, não está na história material, mas no desdobramento espiritual” (Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, p.547). 

A ideia de “desdobramento espiritual” também pode ser traduzida como “desenvolvimento espiritual”. Ou seja, devo pensar menos na minha história material, e mais no meu desenvolvimento espiritual. Posso ter cometido erros, mas não vou me limitar por eles, nem deixar que eles me assombrem. Vou focar no que aprendi com eles. Vou agradecer pelo progresso espiritual, por cada lição que aprendi na minha trajetória. 


Também aprendi que não devo elaborar teorias a meu respeito com base em minha história material, mas sim no desdobramento espiritual do bem em minha vida. Em vez pensar “eu tenho esse defeito porque sempre o tive” aprendi a pensar “eu não posso ter esse defeito porque Deus não tem esse defeito, e eu sou a imagem e semelhança de Deus”. Em vez de olhar para o passado para aprender quem eu sou, passei a olhar para Deus, que é a verdadeira fonte de meu ser. Deus define quem eu sou. Deus é perfeito e me criou com perfeição. Ele nunca me deu o mal. Ele é totalmente bom, e só me dá o bem. Deus nunca me deu defeitos. Ele só me dá qualidades. Todas as qualidades de Deus são sempre refletidas por mim e por todos. Inteligência, sabedoria, saúde, santidade, vitalidade, pureza, harmonia, alegria... são qualidades que Deus me deu e nada pode tirar.

Anos atrás, eu queria muito arrumar uma namorada, mas não conseguia. Conheci várias garotas em diferentes ocasiões, mas parecia que nenhuma delas se interessava por mim. Eu não sabia o porquê disso e ficava desolado. Então percebi que, ao conhecer uma garota, eu sempre contava a história triste de meus desejos e aspirações profissionais que eu não tinha conseguido realizar. Alguns projetos mal sucedidos no passado me atormentavam e me faziam ter uma baixa autoestima. Sem querer, eu passava a imagem de um homem fracassado. Mais tarde, percebi que eu estava dando um falso testemunho sobre mim mesmo, com base em minha história material e não em fatos espirituais. 

Uma passagem de Ciência e Saúde me chamou a atenção: “Todas as formas do erro sustentam as falsas conclusões de que haja mais de uma Vida, de que a história material seja tão real e tão viva como a história espiritual” (p.204). Pensando neste trecho, veio-me a pergunta: Será que existe uma história espiritual, que possa contradizer e anular a história material? Como posso descobrir minha história espiritual?

Tempos depois, eu conheci uma garota legal e nós marcamos um encontro para dali há alguns dias. Quando a data do encontro se aproximava, o medo aumentava. O passado me assombrava, fazendo-me acreditar que ia se repetir. Será que aquela menina ia se interessar por mim? Será que ela me rejeitaria, como fizeram as outras antes dela? O que eu podia fazer para o passado não se repetir? 

Um pouco antes do encontro, eu comecei a orar. Me voltei a Deus com todo o coração, abrindo meu pensamento para as mensagens angelicais que vinham de Deus pra mim. Veio-me a ideia de olhar meu passado com olhos espirituais, com os olhos de Deus. Qual é meu verdadeiro passado? Ou seja, o que Deus sabe sobre mim e sobre meu passado?

Enquanto caminhava pela calçada, indo me encontrar com a garota, veio-me claramente ao pensamento que meu verdadeiro passado é que eu sempre fui um filho perfeito de Deus, sempre manifestei a Sua imagem e semelhança, sempre pensei e agi corretamente, sempre estive no lugar certo na hora certa, pois sempre fui guiado pela direção infalível de Deus. Eu nunca estive separado de Deus, pensando e agindo sozinho e cometendo erros. Eu sempre fui unido a Deus, sempre fui governado por Ele, sempre manifestei todas as qualidades divinas que Deus me deu. Esse é meu verdadeiro passado. Eu nunca tinha sido um mortal fracassado e rejeitado. Eu sou e sempre fui um filho de Deus bem sucedido e muito amado. Essas ideias me revelaram uma maneira nova de pensar sobre mim mesmo. 

Embalado por essa inspiração, o medo se dissipou, e eu me portei com segurança e confiança no encontro com a garota. Eu estava manifestando meu verdadeiro ser, repleto de qualidades divinas. Nem conversei sobre coisas ruins do passado. Só falei sobre coisas boas. E fiquei feliz de perceber que a garota gostou de mim como eu gostei dela. Em pouco tempo, começamos a namorar. Foi um namoro que durou cinco anos e trouxe muitas bênçãos e progresso espiritual para mim e para ela, de quem sou amigo até hoje.

Essa experiência me revelou a importância de não nos identificarmos nem nos assustarmos com a falsa história material, mas sim ter em mente nossa história espiritual, que é nossa única história verdadeira.


“Não vos lembreis das cousas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço cousa nova, que está saindo à luz”. (Isaías 43:18,19)

“Esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (Filipenses 3:13,14)

30 de dezembro de 2019

Oração pelas festas de Ano Novo

Os festejos de Ano Novo celebram o desejo e a esperança de renovação, de deixar para trás o passado e abraçar o presente e o futuro com a expectativa do bem. Mas esta data também nos convida a orar para que todas as festividades aconteçam harmoniosamente.


Sem exagero nas bebidas

Infelizmente muitas pessoas acham que momentos alegres têm de ser celebrados com bebidas alcoólicas. Vamos orar, reconhecendo o governo e a influência de Deus sobre todos os Seus filhos. Deus lhes dá a percepção espiritual e o domínio para não beber, ou parar de beber na hora certa, sem prejudicar a si mesmo e a outros. Eles refletem a inteligência divina para agirem sabiamente e não exagerarem nas bebidas. Podemos reconhecer a verdade absoluta de que todos são atraídos por Deus e não pela bebida, pois “há uma só atração real, a do Espírito” (Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, p. 102).

E podemos lembrar que a verdadeira Mente é Deus, o Espírito, que não é atraída nem afetada pelo álcool. Uma substância material não tem poder sobre a Mente divina e Sua ideia espiritual. Nem Deus nem o homem de Deus podem ficar bêbados, pois o álcool não tem poder algum sobre eles. O homem verdadeiro não tem uma mente mortal separada de Deus, que acredite que o álcool pode deixá-lo mais solto ou alegre, ou que o álcool pode privá-lo de suas faculdades mentais plenas. O homem mortal e beberrão é só uma crença mortal, uma mentira. O homem de Deus é sábio, comedido, forte e tem domínio sobre si mesmo e seus atos. Nada pode privá-lo dessa habilidade.


Sem acidentes

Vamos lembrar desse trecho importante do livro Ciência e Saúde:  “Os acidentes são desconhecidos para Deus, a Mente imortal, e temos de deixar a base mortal da crença e unir-nos à Mente única, a fim de substituir a noção de acaso pelo senso apropriado da infalível direção de Deus, e assim trazer à luz a harmonia. Sob a Providência divina não pode haver acidentes, pois na perfeição não há lugar para a imperfeição” (p. 424).

Vamos saber que os filhos de Deus não podem sofrer nem causar acidentes, nem ao volante, nem com fogos de artifício, nem com garrafas quebradas, pois todos estão sob a “infalível direção de Deus” e sob “a Providência divina”, na qual não pode haver acidentes. Na perfeição do desígnio de Deus para a noite de Ano Novo não há lugar para a imperfeição.

Sem roubos ou brigas

Vamos lembrar que todos os filhos de Deus são inerentemente honestos e bons, pois refletem a natureza divina. Eles não podem roubar alguém, nem brigar com ninguém, pois vivem em Deus, no Amor, e manifestam plenamente a bondade e o amor de Deus. Os filhos de Deus não podem ser perpetradores nem vítimas de crimes, pois eles “habitam no esconderijo do Altíssimo”, e festejam “à sombra do Onipotente” (Salmo 91:1). Todos estão à salvo do mal, pois são envolvidos e protegidos pelo Amor infinito.


Sem superstição

Não precisamos acreditar que algo que fizermos na virada vai nos dar sorte ou azar no ano novo. Vestir branco, pular sete ondinhas, ou outras superstições não têm poder algum para nos beneficiar ou prejudicar. O sucesso e a felicidade de nosso ano novo depende exclusivamente de nossos pensamentos e de nossos atos. Se pensarmos certo e agirmos certo em nosso dia-a-dia, seremos felizes durante o ano todo, independente do que vestimos ou fazemos na noite de ano novo. Podemos ficar livres dessas superstições, sabendo que os filhos de Deus não estão sujeitos à sorte ou ao azar. Só estamos sujeitos a Deus, o Amor, e a Seu poder e a Sua vontade. E sabemos que a vontade de Deus para nós inclui somente o bem, o bem infinito.

Com gratidão, expectativa do bem e alegria

Podemos aproveitar a noite de ano novo para agradecer por todo o bem que se desdobrou para nós no ano que termina e agradecer antecipadamente as benção divinas que Deus vai nos revelar no ano que se inicia. Podemos nos despojar de nossas vontades e planos humanos e esperar em Deus por um ano novo cheio de progresso, bênçãos espirituais e felicidade.

Deus não só deseja, Ele sabe, que todos nós teremos um Feliz Ano Novo!

7 de novembro de 2019

O Espírito que vem de Deus

Abrindo a Bíblia, me deparei com esta linda passagem: “Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente” (1 Coríntios 2:12).


Ao pensar e orar com esse trecho, seu significado infinito começou a se desdobrar em meu pensamento, assim:

Nós não temos recebido as crenças do mundo e sim a compreensão que vem de Deus.

Nós não temos recebido os medos do mundo e sim a coragem que vem de Deus.

Nós não temos recebido os problemas do mundo e sim as soluções que vem de Deus.

Nós não temos recebido os pensamentos ruins do mundo e sim as ideias maravilhosas que vem de Deus.

Nós não temos recebido as tribulações do mundo e sim a paz que vem de Deus.

Nós não temos recebido o materialismo do mundo e sim a espiritualidade que vem de Deus.

Nós não temos recebido a desonestidade do mundo e sim a honestidade que vem de Deus.

Nós não temos recebido a carência do mundo e sim o suprimento infalível que vem de Deus.

Nós não temos recebido o egoísmo do mundo e sim o altruísmo que vem de Deus.

Nós não temos recebido a ganância do mundo e sim a generosidade que vem de Deus.

Nós não temos recebido as impurezas do mundo e sim a pureza que vem de Deus.

Nós não temos recebido a fraqueza do mundo e sim a força (moral e espiritual) que vem de Deus.

Nós não temos recebido a insegurança do mundo e sim a segurança que vem de Deus.

Nós não temos recebido a inação e a apatia do mundo e sim a oni-ação que vem de Deus.

Nós não temos recebido as imperfeições do mundo e sim a perfeição que vem de Deus.

Nós não temos recebido a escuridão do mundo e sim a luz que vem de Deus.

Nós não temos recebido a tristeza do mundo e sim a alegria que vem de Deus.

Nós não temos recebido o ódio do mundo e sim o amor infinito que vem de Deus.

Nós não temos recebido as doenças do mundo e sim a saúde que vem de Deus.

Nós não temos recebido os pecados do mundo e sim a santidade que vem de Deus.

Nós não temos recebido a mortalidade do mundo e sim a Vida imortal que é Deus.

“...para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente.” O que é que Deus nos deu gratuitamente? Tudo o que foi citado acima e muito mais, incluindo um lar, companhia, emprego (pois Deus é nosso empregador e Ele sempre nos emprega devidamente), propósito, satisfação, felicidade, etc. Cada um de nós pode lembrar das bênçãos que Deus nos deu gratuitamente, e ser eternamente gratos.

Porque nós não temos recebido a ingratidão do mundo e sim a gratidão que vem de Deus, para que desfrutemos de todo o bem que Deus nos dá gratuitamente.


30 de outubro de 2019

Quando ele disse que Deus me ama...

A guerra é coisa muito séria e difícil, e, como soldado das Forças Especiais do Exército americano, eu costumava utilizar linguagem muito grosseira para mostrar como eu era durão. Depois de servir em combate, voltei para os Estados Unidos e comandei um pequeno batalhão. Certa noite, quando um de nossos soldados retornou, após ter se ausentado sem permissão, repreendi-o com palavras muito duras. Quando terminei, ele disse que retornara porque havia encontrado Jesus.

Na manhã seguinte, ele ficou em posição de sentido enquanto eu lhe aplicava uma punição administrativa. Ele prestou continência e disse: “Capitão, Deus o ama!” Ordenei que saísse do meu escritório, utilizando, como de costume, linguagem muito rude.


Mais tarde, naquela semana, fui a um culto da Ciência Cristã de quarta-feira à noite, o qual não havia frequentado fazia algum tempo. Na leitura, havia um trecho do relato bíblico em que Jesus estava sendo interrogado pelas autoridades judaicas, e Pedro foi acusado de ser seu discípulo. Negando, ele “começou a praguejar e a jurar...”
Senti-me envergonhado e indigno. O soldado havia se arrependido e voltado para enfrentar as consequências. Ele também tinha descoberto que Deus o amava, e me contara essa revelação.
Alguns meses após esse soldado deixar o Exército, ele escreveu uma carta me agradecendo por eu entender sua situação. Concluiu a carta com uma observação: “O senhor já tentou parar de praguejar tanto?” Eu ri dentro de mim, porque havia me arrependido e tentado, e estava progredindo nesse propósito. Como Pedro, eu estava aprendendo a amar o Cristo.
Agora era a minha vez de ter a coragem de deixar para trás tudo o que eu havia vivenciado, e parar de negar o Cristo com meu linguajar chulo. Comecei a ler a Lição Bíblica semanal regularmente, e a frequentar os cultos na igreja da Ciência Cristã de minha localidade. Eu não mudei minha linguagem da noite para o dia, mas estava crescendo na compreensão do amor de Deus por mim.
Ao longo dos anos, melhorei consideravelmente minha linguagem, e venho exercendo diversas funções na igreja filial da qual sou membro. O que eu mais valorizo é ensinar todas as semanas às crianças da Escola Dominical que “Deus as ama”.


Este testemunho foi publicado originalmente em áudio no podcast "Daily Lift". Aqui está o link: https://www.christianscience.com/pt/a-cura-crista-nos-dias-de-hoje/daily-lift/when-he-told-me-god-loves-me-por

9 de outubro de 2019

Nossa inocência permanece

Um amigo começou a furtar mercadorias em lojas e me convenceu a fazer o mesmo. Isso aconteceu quando éramos pré-adolescentes. Roubávamos de grandes lojas, basicamente doces ou revistas em quadrinhos. Eu me havia convencido de que, como eram lojas ricas, não estávamos fazendo muito mal. Mas um dia, eu fui pego. Não foi em nenhuma dessas grandes lojas. Foi numa banca de revistas do meu bairro. Eu ia lá desde que nos havíamos mudado para o bairro. Os proprietários me conheciam desde que eu tinha três anos. Senti as pontadas do remorso.
Sou grato em dizer que o choque daquele sentimento, juntamente com a reação firme, porém misericordiosa, do casal me fez parar, para sempre, de roubar em lojas. Mas essa experiência me ensinou que o remorso é uma emoção muito poderosa.
Por mais desconfortável que seja esse estado mental, ele indica um movimento na direção certa. Deus pode, e realmente nos salva de nossos erros e arrependimentos, e o remorso é quando começamos a abrir nosso coração para essa ajuda essencial. Essa ajuda vem por meio do Cristo, que é o poder redentor do amor infinitamente misericordioso de Deus, vividamente demonstrado por Jesus, ao curar os que estavam doentes e reformar os que se encontravam presos a falhas de caráter. O Cristo faz brilhar a inocência inata de todos nós como imagem e semelhança de Deus.
O desafio é que a consciência que temos dessa inocência divina pode parecer fraca, frente ao clamor de motivos errados e lembranças ruins - mentalidade essa que apenas aparenta ser nossa mente. Nossa verdadeira mentalidade é espiritual e é a manifestação da Mente divina, cuja perspectiva é a de que somos sempre inocentes, com uma inocência que é mais do que a ausência de culpa. Falando da Verdade divina, que é outro nome para Deus, Mary Baker Eddy, escreve em Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras: “A inocência e a Verdade vencem a culpa e o erro” (568:1).
A maioria de nós admitiria que não teve uma jornada livre de qualquer desvio, ao longo do caminho do crescimento espiritual. Porém, nossa vida real permanece inocente aos olhos do nosso Criador. Podemos dar provas disso cada vez mais, com palavras e ações reformadas, à medida que progredimos para uma maior compreensão de nossa inocência original e eterna, como filhos e filhas de Deus.
Testemunho de Tony Lobl, de Londres, Inglaterra, publicado originalmente no podcast "Daily Lift". Aqui está o link: https://www.christianscience.com/pt/a-cura-crista-nos-dias-de-hoje/daily-lift/our-innocence-remains-por